postado em: 03/01/20 as 08:20, atualizado em: 13/02/20


Artigo: "A Lei da Impunidade"

Por Geraldo Dutra de Andrade Neto


Após um período de 120 dias de vacatio legis, entram em vigência os dispositivos da Lei nº 13.869/2019, erroneamente batizada de Lei de Abuso de Autoridade, quando, no fundo e na forma, trata-se de legislação vocacionada a enfraquecer o Poder Judiciário e sua capacidade de julgar, com independência e sem medo de pressões indevidas, os casos concretos que lhe são trazidos para apreciação.

A Lei nº 13.869/2019 será lembrada como a lei da impunidade, a primeira de uma série, parece, com o indisfarçável intuito de "colocar no seu lugar" os membros do Poder Judiciário, que tanto têm contribuído para o desenvolvimento de um país mais justo e democrático, com menos violência e corrupção. Ao manietar um órgão de soberania nacional, o legislador presta um desserviço à nação e provoca um recuo do desenvolvimento da nossa ainda jovem democracia.

A imprensa nacional parece ter entendido como normal uma legislação que reduz a independência judicial. Pouca atenção deu ao tema e o espaço para manifestação dos próprios atingidos pela nova legislação foi mínimo. Parece se esquecer que a derrocada democrática sempre tem início com o enfraquecimento da Justiça. Como recordou um juiz mais experiente, um regime autocrático sempre necessita de três pressupostos: pagar bem e acarinhar quem tem as armas, acabar com a independência e com a força dos juízes e dos tribunais e limitar a liberdade de imprensa. Alcançados os pressupostos 1 e 2, não há quem impeça a limitação da liberdade de imprensa e de expressão. Mesmo a cooptação sutil dos grandes meios de comunicação não afasta o fato de passarem a gozar apenas de aparente liberdade.

A "lei da impunidade" traz consequências também para o Ministério Público e para outros órgãos de investigação, numa clara reação aos desenvolvimentos das últimas duas décadas, e prejudica a atuação desses atores no combate à corrupção.

Não se percebe qualquer ganho ao cidadão comum. Ao contrário, este estará mais exposto às intempéries de uma sociedade que tem menos meios de fazer cumprir as leis e a Constituição.

*Geraldo Dutra de Andrade Neto é Presidente da Associação dos Magistrados do Paraná - Amapar, secretário de Relações Internacionais da Associação dos Magistrados Brasileiros - AMB, secretário-geral da Federação Latino-Americana de Magistrados - Flam e secretário-executivo da União Internacional dos Juízes de Língua Portuguesa - UIJLP.

Fonte: Geraldo Dutra de Andrade Neto

comments powered by Disqus