postado em: 08/03/18 as 14:32, atualizado em: 14/03/18


Ameron parabeniza mulheres com homenagem à magistrada Ivanira Feitosa Borges



Neste 8 de março, comemora-se o Dia Internacional da Mulher. Em alusão à data, a Associação dos Magistrados do Estado de Rondônia (Ameron) parabeniza as mulheres pela ocasião, considerada como marco das conquistas já alcançadas, dando-as cada vez mais espaço e fortalecendo seus direitos inerentes a todos os seres humanos, sem distinção. Em suas redes sociais, a associação publicou uma homenagem à Ivanira Feitosa Borges, iniciativa que faz parte da campanha ‘Magistrada’, realizada durante esta semana para mostrar o trabalho de algumas juízas do estado.

“Nada mais justo do que homenagear as mulheres mostrando o trabalho da nossa querida Dra. Ivanira. Ela é a primeira mulher a integrar o Poder Judiciário de Rondônia e pioneira como desembargadora, contribuindo para a Justiça do estado por mais de 30 anos”, enfatiza o presidente da Ameron, desembargador, Alexandre Miguel.

Homenageada

Ivanira foi a primeira mulher a integrar o Poder Judiciário do Estado de Rondônia e pioneira como desembargadora de carreira a compor a Corte Estadual. Comandou o Tribunal Regional Eleitoral e prestou serviço com excelência à Justiça de Rondônia por mais de 30 anos, coroando seu trabalho junto a 1ª Câmara Criminal do TJRO.

Dia da Mulher

Em 8 de março de 1857, operárias de uma fábrica de tecidos, situada na cidade de Nova Iorque, nos Estados Unidos, fizeram uma grande greve e começaram a reivindicar melhores condições de trabalho. Eles pediam redução na carga diária de trabalho, equiparação de salários com os homens e tratamento digno dentro do ambiente de trabalho.

A manifestação foi reprimida com total violência. As mulheres foram trancadas dentro da fábrica, que foi incendiada. Aproximadamente 130 tecelãs morreram carbonizadas, em um ato totalmente desumano.

Porém, somente no ano de 1910, durante uma conferência na Dinamarca, ficou decidido que o 8 de março passaria a ser o “Dia Internacional da Mulher”, em homenagem às mulheres que morreram na fábrica em 1857.

Já a Organização das Nações Unidas (ONU) veio a oficializar a data por meio de decreto somente no ano de 1975.

Mulheres na magistratura

Um levantamento feito pelo Conselho Nacional de Justiça (CNJ), por meio do Censo do Judiciário em 2013, apresentou que as mulheres representam a minoria no Poder Judiciário. As estatísticas apontam 62,7% da magistratura composta por homens e apenas 37,3% pelas mulheres.

Apesar disso, as diferenças têm diminuído com o passar dos anos. Pesquisa encomendada pela Associação dos Magistrados Brasileiros (AMB) indica que até o final da década de 1960, apenas 2,3% da magistratura tinha ocupação feminina e nos tribunais superiores esse número era zero. No fim da década de 1970, essa fatia de magistradas subiu a 8%, chegando a 14% nos anos 1980 e alcançou a marca de 22,4% em 2005, ano da publicação da pesquisa.

Fonte: Assessoria de Comunicação - Ameron

comments powered by Disqus