postado em: 22/04/19 as 18:25, atualizado em: 10/04/19


​Ameron adere campanha contra as Fake News realizada por instituições do Poder Judiciário

Entidade rondoniense aderiu a iniciativa dos Tribunais Superiores e Conselho Nacional de Justiça (CNJ) que pretende alertar para as notícias falsas divulgadas pela internet, utilizadas em detrimento de uns ou a favor de outros


A Associação dos Magistrados do Estado de Rondônia (Ameron) irá realizar, a partir desta semana, uma campanha contra as Fake News. A entidade rondoniense aderiu a iniciativa dos Tribunais Superiores e Conselho Nacional de Justiça (CNJ) que pretende alertar para as notícias falsas divulgadas pela internet, utilizadas em detrimento de uns ou a favor de outros.

“A campanha da Ameron será divulgada diariamente pelas redes sociais com artes tratando dos problemas causados pela disseminação das notícias falsas, que pode ser, inclusive, considerada crime àqueles que compartilham esse tipo de informação”, salienta o presidente da associação, desembargador Alexandre Miguel.

A iniciativa apresenta a relevância de se checar os fatos antes de compartilhá-los, observando, por exemplo, as fontes das notícias. A campanha tem a hashtag FAKENEWSNÃO.

Fake News
As Fake News são notícias falsas publicadas por veículos de comunicação como se fossem informações reais. Esse tipo de texto, em sua maior parte, é feito e divulgado com o objetivo de legitimar um ponto de vista ou prejudicar uma pessoa ou grupo (geralmente figuras públicas).

As Fake News têm um grande poder viral, espalhando-se rapidamente. As informações falsas apelam para o emocional do receptor (público), fazendo com que as pessoas consumam o material “noticioso” sem confirmar se é verdade seu conteúdo.

O poder de persuasão das Fake News é maior nas redes sociais, onde as divulgações são repassadas de maneira espontânea e instantâneas pelas pessoas. Atualmente, as notícias falsas estão comumente ligadas ao viés político e atingem qualquer classe social ou econômica.

Crime
Ao contrário do que muitos ainda pensam, a internet não é um lugar “sem lei”. A situação das Fake News modificou a responsabilidade de todos na “grande rede”, obrigando-os a conferir a informação antes de publicá-la ou compartilhá-la. Inclusive, compartilhar esse tipo de notícia inverídica pode ser considerado crime.

Fonte: Ascom Ameron

comments powered by Disqus